Você está pronto para não ter chefe no trabalho?

Paulatinamente, o modelo de gestão sem hierarquia tem ganhado adeptos ao redor do globo; veja o que é preciso para trabalhar em uma empresa sem chefes.

 

São Paulo – Que tal trabalhar em um lugar sem metas e, pasmem, sem chefes? Impossível imaginar? Pois isso já é realidade para alguns profissionais ao redor do globo. Entre eles, os funcionários da loja online Zappos, que aderiu ao modelo recentemente.

No Brasil, o Vagas.com limou a hierarquia há quinze anos. E, se depender dos números da empresa, a estratégia parece estar funcionando.                    

“Nunca crescemos menos de 25% ao ano”, diz Mário Khapan, fundador da empresa e principal acionista - como ele se descreve já que, dentro da estrutura organizacional do Vagas, não há hierarquia e espaço para o cargo de presidente.              .          

Sem CEO, executivos, gerentes, supervisores ou coordenadores, todos têm voz na hora de tomar decisões.

“Não é uma democracia, não é por maioria de votos. As decisões são tomadas por consenso, todas as pessoas têm que concordar”, afirma Khapan. Lá, até o processo de seleção entra no esquema: a equipe inteira participar da entrevista e decide quem será contratado. 

Para se ter uma ideia, dos mais de 150 funcionários do Vagas.com, 95 participaram este ano da elaboração do planejamento estratégico de 2014.               

Na prática, estes fatos denunciam que, para trabalhar em uma empresa sem chefes, é preciso aguçar algumas habilidades pouco exploradas pelo mercado de trabalho tradicional. 

“Richard Daft afirma que gestão é a obtenção de resultados organizacionais de um jeito eficaz por meio de planejamento, organização, liderança e controle”, afirma João Marcelo Furlan, sócio da Enora Leaders.                           

Para quem não tem chefe, o desafio reside em aplicar estes conceitos na própria rotina – mesmo quando se ocupa um cargo operacional. Entenda:

 

1. Olhar para além da própria baia 

 

“Em um ambiente de trabalho hierarquizado, a responsabilidade da vivência de valores da companhia é delegada para níveis executivos”, diz o empresário. Sem a expoente figura deles por perto, a responsabilidade passa a ser compartilhada por todos.        

Por isso, se em uma companhia tradicional, ter uma visão clara dos negócios é importante, em um ambiente sem líderes institucionalizados, este é um atributo fundamental.

“O profissional não pode olhar apenas para o seu quadrado. Ele tem que olhar todos os processos e desafios”, afirma Sidnei Oliveira, autor do livro “Profissões do futuro”. “Precisa ter uma visão mais ampla de causa e efeito”. 

 

2. Gostar de controvérsia

 

Com essa visão ampliada sobre o negócio, é preciso caminhar para cada reunião de equipe com disposição para contribuir, discordar e (muitas vezes) ceder.

“É muito importante que as pessoas gostem do processo de discussão e controvérsia. Que saibam ouvir, construir ideias e se desapegar. Essa coisa do desapego é muito concreta”, diz Khapan. 

 

3. Saber planejar

 

Sem alguém para determinar quais são suas prioridades e metas, o planejamento se torna seu melhor amigo durante o expediente. E, neste ponto, respirar e inspirar a cultura, os valores e os objetivos da empresa é crucial – principalmente, se não há metas instituídas, como é o caso da Vagas.com.                                                 
 
Para que isso funcione, além de prioridades, Furlan sugere a criação de indicadores de sucesso para cada ação e ferramentas de controle – para saber como cada objetivo está avançando. 

“Quando o recurso cair no seu colo, você tem que tomar decisão e ter um critério claro para isso”, diz o sócio da Enora Leaders.

 

4. Cultivar a disciplina

 

Agora, de nada vale ter o planejamento lindo no papel, se na hora de executar, você faz apenas o que “dá na telha”. Por isso, disciplina deve ser palavra de ordem na rotina de uma empresa sem chefes.                                

“A gente não foi treinado a fazer isso porque sempre tinha alguém que tomava conta”, afirma João Brandão, professor da ESPM. Mas é preciso ficar atento que “quando te dão liberdade, você precisa instituir as limitações”, diz o especialista.                       

E a disciplina para seguir estes parâmetros é o que vai garantir sua produtividade, eficiência e sucesso na carreira. “Este processo economiza seus recursos, seu cérebro e pensamentos”, diz Oliveira.

 

5. Fazer networking de verdade

 

Para boa parte das pessoas, networking só faz sentido quando você está em busca de um emprego – o que é um mito, diga-se de passagem. O fato é que em uma companhia sem hierarquia, conhecer as “pessoas certas” pode ser o elemento que faltava para você conseguir fazer o seu trabalho – no mínimo. 

“É saber a quem recorrer diante do tamanho do desafio”, descreve o especialista. Segundo Oliveira, a prática do networking funcional (quando você realmente conhece as pessoas com que se relaciona profissionalmente) ajuda a mapear quem é indicado para assumir cada responsabilidade.                                  

“Quem olha isso é o chefe. Sem ele, o profissional precisa ter o foco no projeto que está tomando conta e quem ele pode chamar para executá-lo”, afirma. 

 

6. Ser um influenciador

 

A ideia de influência sem autoridade ganha contornos claros neste modelo de gestão. “Não tem mais a ‘carteirada’”, brinca Furlan. “Tem que aprender a liderar, influenciar, trazer engajamento, levar as pessoas para uma mesma direção”. 

 

7. Ser mestre em negociação

 

Neste ponto, a negociação se torna peça fundamental do trabalho. Afinal, “a sua autonomia desafia a autonomia do outro”, diz Brandão. “Este processo de negociação pura e plena requer pessoas maduras” e preocupadas com o objetivo maior da organização. 

 

8. Alimentar a automotivação (e o desapego)

 

Se por um lado, não ter chefe dá asas para a autonomia, por outro, uma empresa sem hierarquia implica em nenhuma escada profissional para subir. Em outros termos, não ter alguém acima de você significa que também não há espaço para você crescer.

Isso pode afetar negativamente os profissionais acostumados à ideia tradicional de ascensão profissional – e que se motivam com esta proposta.                

Em uma companhia sem hierarquia, “a ideia é que as pessoas venham interessadas em um projeto maior”, afirma Khapan. Sem cargos ou status para mirar, a estratégia é fortalecer a ideia de automotivação. "O foco não é mais o cargo ou organograma, mas, sim, o 'estamos todos aqui para fazer acontecer'", diz Oliveira. 

 

Fonte: http://exame.abril.com.br/carreira/

 

 

 

 

 

 

Recursos Humanos

Consultoria para implantação de práticas de Gestão de Pessoas. Realização de Pesquisas de satisfação auxiliando a empresa no planejamento de estratégias. Recrutamento e Seleção através da metodologia Seleção por Competências. Avaliação Psicológica: Espaço Confinado, Potencial.

Engenharia e Serviços

A MANES presta serviços de assessoria, gerenciamento e fiscalização de obras industriais, comerciais e residenciais.

Domus Temporário


O trabalhador temporário pode atuar tanto na atividade-meio, quanto na atividade-fim da Empresa Cliente.

Cadastre-se Aqui


Cadastre-se gratuitamente. Clique abaixo e preencha seus dados profissionais e pessoais candidatando-se nas oportunidades de seu interesse. Boa Sorte!

Manes RH - © Copyright 2008-2011 - melhor visualizado na resolução de vídeo 1024x768 pixels.
Desenvolvido por